Gente e Gestão

Encontros e Desencontros de Gerações no ambiente de trabalho

“No meu tempo…” ou “Sou do tempo em que…” são frases comuns, usadas por pessoas mais experientes e que buscam trazer os valores de sua geração para a atual. 

Como o ambiente de trabalho tem mudado, a necessidade de adaptação de todos os profissionais independente da geração qual faz parte, é um requisito necessário para a manutenção de qualquer nicho de negócio.

Cada geração possui prioridades, expectativas, valores e comportamentos próprios. Portanto, uma empresa que possui diversidade geracional (diferentes gerações dentro da gestão ou operação do negócio) precisa estar atenta. Além disso, ela deve desenvolver ações intencionais para aproveitar o máximo possível da situação. 

O convívio da diferença entre as gerações

Em 2019 a revista Exame* apresentou uma pesquisa, mostrando o percentual de participação de cada geração no ambiente de trabalho:

Os Millennials (geração Y) já são a maior parcela de trabalhadores, o que justifica as tantas mudanças no ambiente de trabalho. E estas mudanças foram potencializadas com as necessidades de adaptação provenientes da pandemia. Além disso, foi um momento de destaque para as gerações mais recentes ampliarem sua força e contribuírem assertivamente para a busca de adaptações de mercado.  

Mas, o fato de termos 4 gerações participando ativamente do mundo dos negócios, pode trazer bastante conflitos, que, se liderados com sabedoria, poderão trazer bastante vantagens.

Já em uma pesquisa apresentada pela Forbes, 85% das empresas entrevistadas acreditam que a diversidade resulta em maior inovação de ideias. Pois, a junção da experiência prática de quem possui maior idade e o impulso dos mais jovens em testar novas teorias para resolver problemas com eficiência, pode resultar em boas decisões em relação a inovação, operação e gestão de negócios. 

Boas práticas

  1. Não fugir da raia

Nem todos se sentem confortáveis com discussões. A verdade é que nossa busca, é por um ambiente de trabalho equilibrado e pacífico. Mas, boas discussões são sempre bem vindas, e, quando respeitosas e com foco de definir algo que seja para o bem da empresa, sem exaltação, produzem crescimento e ampliam pontos de vista.

 Também é muito importante ter em mente a visão de cada geração, e respeitar a experiência e pontos de vista a partir da contribuição que cada um deles tem para a solução do problema. Portanto, tendo respeito e compreensão de que cada um pode somar, quando combinado as forças positivas.

  1. Impulsividade x Análise

As gerações anteriores são mais analíticas que a Y e Z, que são mais ágeis e impulsivas. E essa combinação de analisar, buscando todas as possibilidades de não falha, com a velocidade da experiência sem o medo de errar tem trazido benefícios para muitos negócios. Mas, tudo depende de como é a participação de cada geração nas tomadas de decisões e, principalmente, na execução das estratégias. 

  1. Valorizar a história, traz significado e propósito 

Se tem algo que as novas gerações estão valorizando, é o propósito. A razão de existir da empresa e do negócio, o legado que está deixando, a maneira como lidam com pontos importantes como sustentabilidade e a própria diversidade. 

E, nada melhor do que compreender e valorizar a história para isso. Ter na equipe gerações que compreendem o motivo pelo qual o processo é daquela maneira, como se tinha o pensamento da época, o trará luz e contribuirá para a consistência de mudanças de paradigmas.

Respeito acima de tudo

O conflito entre gerações é constante na história. Temos a tendência de pensar que o que foi construído, poderá ser “destruído” pela geração seguinte, caso não se mantenha na rota. 

Mas, a busca pelo equilíbrio sempre se faz necessária. E as referências ao passado pode ser prejudicial as ações. Assim como, a impulsividade e a velocidade desenfreada também podem deixar marcas de erros.

Acima de tudo o que foi exposto, é algo que nunca será demais:

  • Respeitar a história e a experiência de cada profissional.
  • Respeitar a visão de mundo e estar pronto para, de fato, compreender e aprender com aqueles que constroem a empresa que fazemos parte.
  • Se abrir para o novo (mesmo que isso signifique ouvir e trazer à tona o que se fazia anos atrás).

Andreia Cardoso

Gente e Gestão



Gostou do nosso artigo? Inscreva-se no blog GeoSales para não perder as novidades.

Esse artigo foi útil?
[Total: 1 Average: 5]

Deixe seu comentário